quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Strange fruit

Ao som de: Strange Fruit - Billie Holiday

Laila é doce, simples, mas é forte. Tem o poder de me fascinar, sempre foi assim. Diria que é uma menina mulher.
Depois de longas conversas decidimos nos permitir. Afinal, está chegando a virada do ano, é nossa última chance. Não que realmente fosse, mas encontrei a desculpa perfeita para trazê-la até aqui e ela fingiu acreditar, enganou a si mesma, para simplesmente viver o que queria...
Não preparamos roupas ou velas ou até mesmo perfumes e maquiagens. Queria sentir ela, por completa e ao natural.
Nos beijamos, com vontade. Mas o beijo é leve. Menina... sempre tão meiga.
Passeei com minha boca pelo pescoço, colo. Laila tem a pele branca, cabelos curtos, cheios, dourados.
Quis descobrir o resto. Desci sua blusa enquanto ela me olhava. Seus seios eram perfeitos. Pequenos, firmes, bico rosado, mirando o teto. Chupei cada um deles sem pressa, podiam ser só meu naquele momento e eu não ia desperdiçá-los. Ela acariciava minha cabeça enquanto eu descia.
Desci a boca pelas curva da sua barriga, era aveludada, gostosa de brincar. Segurava ela pelo quadril, desejando cada centímetro do seu corpo.
Cheguei ao short. Desabotoei, tirei com cuidado e a levei para o chão. Ela deitou. Nos beijamos mais. Ela queria que eu continuasse, seu olhar me dizia. E eu o fiz, mas minha calmaria estava dando lugar ao desejo. Queria e queria já.
Tirei a calcinha, abri as pernas dela. Lambi seu sexo, passeei minha lingua por cada contorno da boceta. Chupei com vontade, com sede, com o corpo e a comi em pensamento.
Laila se contorcia, estava de olhos fechados sentindo minha pele, minha lingua, meus dedos.
Enfiei o primeiro, fiz ela o lambuzar de saliva. Seu sexo pedia por mais. Enfiei mais um e ele estava preenchido. Lambi, lambuzei, salivei, passei pela buceta e o cú, era rosado, fechado e saboroso, ela se contorcia ainda mais. Abri mais suas pernas, as matinha abertas com o braço e com o outro mantinha o movimento com meus dedos dentro dela, enquanto a lingua passeava pela buceta e cú. Ela se virava, gritava, contorcia mas pedia para não parar. Enfiei meu terceiro dedo e fiz os movimentos fortes até que ela deu um grito abafado, suas pernas tremiam, sua boceta jorrava e eu tomava todo seu suco, que era bem doce.
Tirei meus dedos, soltei sua perna e deitei ao seu lado enquanto ela ainda mantinha o olho fechado e um sorriso largo.
Eu a observava. Ela que reclamava que era tão rotulada, naquele momento eu a rotulei. Laila era minha "Strange Fruit"...

5 comentários:

Sentimental ♥ disse...

hum, sorriso laaaaargo...

Laila Paschoal disse...

Opa!
;)

Max, o Sedutor. disse...

Feliz 2011!!!!sejas muito feliz!!!hummm!!!!seus posts continuam deliciosos de se ver...sempre qd.venho aqui eu saio cheio de tesão...hehehehehe!!!beijos amigaaa!!

{(Pupi)}_Shibumi disse...

Oi Lud! Vim compartilhar contigo também..
Deixo beijos e votos de que teu ano seja encantado e enfeitado com as melhores surpresas!!

Swingers Veronika e Cláudio disse...

Adoro esses relatos sensuais, de fatos inesperados que são esperados há tempos...
Adoro essa conquista, essa sedução que dá lugar à luxúria...
Adoro uma mulher que anseia ser possuída por outra mulher, possuída não só pelo corpo, mas pelos pensamentos...
Delícia de relato, linda!
Beijo grande!!!