sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Em guerra lutando por paz

Gosto mesmo é do amor puro, daquele à moda antiga. Não importa o que digam, mas sou feliz assim.
Antes fazer e ser como sou de verdade do que me moldar de acordo com o que o outro quer só para satisfazer o ego do outro ser humano que nem merece na maioria das vezes.
Por isso está tão difícil para as pessoas arranjar alguém bacana... Tanta mulher que não se valoriza e se joga em cima de todos e todas que virou bagunça. Afinal, os homens não são assim sozinhos. Nem poderiam. A mulherada é que fez com que eles ficassem assim e agora os culpa ou finge que está feliz e gosta assim e vai sempre ficar com o sentimento de que lhe falta algo para satisfazê-la por completa.
Acho que vou virar conselheira amorosa. Alguém se interessa?

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Destruição

Às vezes eu acho que vou perder o controle
E irei destruir tudo.

Tudo.

Tud.

Tu.

T.

.


Minha vida não pode ser escrita com um único ponto final.


Texto produzido por Flavio P. Senra, um amigo antigo e um ótimo escritor, além de professor e músico(tem uma voz maravilhosa também). Obrigada Flavio por deixar postar uma das suas obras...

domingo, 2 de novembro de 2008

Valsinha


Tinha uma leveza no olhar, mas por dentro estava em chamas, era a primeira pessoa que a fazia sentir assim. Naquela tarde ela se refugiou para um lugar especial para os dois... Eles conversavam sobre coisas em comum, mas o desejo era latente. Ela resolveu provocar. Levantou para fechar as cortinas e virou para ele com um piscar de olhos sedutor. E ele observava ela com tanto desejo... Vestia um vestido solto, leve e vermelho que valorizava suas curvas. Ia até o joelho e seu caminhar era encantador com aqueles cabelos levemente perfumados batendo ao vento, sua pele como pólen, seus olhos brilhavam e expressavam tudo o que ele queria saber. Ela sorriu de forma encantadora e colocou um som para que a vizinhança não acordasse com a dança deles. Ela, somente ela, sabia do que ele gostava. Baixou o tom da luz que estava acesa e o colocou em uma cadeira preso com algemas para somente admirá-la e percorrer seus olhos por todo corpo de sua deusa, e ela dançou para ele; sem tirar os olhos de seu amante, ela fazia como quem vai se despir mas o enganava. Esfregava seus cabelos pela nuca de seu amado e ele entrava em desespero, como um felino que queria a atacar mas se mantinha preso...
Era seu melhor jogo de sedução, os dois embalavam com o ritmo; ela com o corpo e ele com os olhos e o desejo, que era latente conforme ela brincava com ele.
Sua boca foi abrindo à medida que ela tirava as peças de roupa. Ela ameaçava chegar perto mas recuava quando ele quase conseguia beijar seu pescoço.
Suas veias já estavam sobressaltadas e enfim ele conseguiu se soltar, avançou na sua "dona", agarrou-a pelos cabelos e falou aquelas palavras que ela adorava ouvir em seus ouvidos. Jogou-a de bruços na cama, segurou sua boca para que ela não deixasse escapar seu prazer através das paredes, e a amaou do jeito que só ele sabia que ela gostava. Falava palavras deleitosas e seu prazer escorria pelas pernas.
Ela conseguiu escapar e o teve como presa de novo. Ficando por cima da sua fera, o enlouqueceu pois não havia mulher tão completa quanto àquela.
Ela sim sabia fazer tudo aquilo que ele gostava. Não se importava em se lambuzar toda, em se descabelar, suar... Era uma puta na cama e gostava de tudo. Ele tinha medo dela, e ao mesmo tempo uma fascinação absoluta.
Assim, os gemidinhos dela compassavam com os gemidões dele e os dois foram ao céu, ao céu...!
Suspiraram fundo e continuaram morrendo da forma mais sublime...

sábado, 1 de novembro de 2008

Tudo no mundo é secreto


Porque será que as pessoas ainda insistem na idéia de que querem ouvir ou mesmo arrancar a verdade da boca das outras?
Se elas mesmas não falam seus segredos mais secretos...? Cada um tem seu lado obscuro e ninguém, ninguém saberá qual é, exceto ela mesma.
É prazeroso saber de algo que ninguém nunca vai saber, seja por essência, orgulho ou vergonha...
Por isso chego a conclusão de que ninguém conhece quem queria de verdade, afinal, que atire a primeira pedra quem não tem segredos, ou, O segredo...
O lado negro de cada ser que habita em nós, nunca deve ser desvendado, às vezes nem por nós mesmos, exceto quando se torna um instinto. Por isso torno a perguntar:
Você já se olhou no espelho e se viu de verdade?

domingo, 19 de outubro de 2008

Sua



"Sou sua mas não posso ser
sou seu mas ninguém pode saber
amor eu te proíbo de não me querer..."

Trecho da música do meu querido Nando Reis.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Pense!

A exigência de abandonar as ilusões sobre sua condição é a exigência de abandonar uma condição que necessita de ilusões.
(introdução à crítica da filosofia do direito de Hegel).

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Depoimento

Depoimentos de um "macho":

“Quando o nosso cortador de grama quebrou, minha mulher ficava sempre me dando a entender que eu devia consertá-lo. Mas eu sempre acabava tendo outra coisa para cuidar antes, o caminhão, o carro, a pesca, sempre alguma coisa mais importante para mim. Finalmente ela pensou num jeito esperto de me convencer.


Certo dia, ao chegar em casa, encontrei-a sentada na grama alta, ocupada em podá-la com uma tesourinha de costura. Eu olhei em silêncio por um tempo, me emocionei bastante e depois entrei em casa. Em alguns minutos eu voltei com uma escova de dentes e lhe entreguei. “- Quando você terminar de cortar a grama,” eu disse, “você pode também varrer a calçada.” Depois disso não me lembro de mais nada. Os médicos dizem que eu voltarei a andar, mas mancarei pelo resto da vida”.
(Luis Fernando Veríssimo)

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Instinto secreto

Instinto- [do latim instinctu] – Espécie de inteligência rudimentar que dirige os seres vivos em suas ações, à revelia de sua vontade e no interesse de sua conservação. O instinto torna-se inteligência quando surge a deliberação.
1. Tendência natural; aptidão inata. 2. Força de origem biológica, própria do homem e dos animais superiores, que atua de modo
inconsciente
, espontâneo, automático, independente de aprendizado.
Até que você percebe qual seu instinto secreto e então se dá conta do que você é, de quem é seu alter-ego, sem pensar no que foi imposto por ser certo ou errado, nos “valores”(mais da sociedade do que seu, afinal você aprendeu a ser como DEVE ser). Já se olhou no espelho e se viu de verdade?

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Escrever, apagar.


Escrever e trapacear não é a mesma coisa??? Tanto uma quanto a outra atividade têm como recompensa um prazer cínico e silencioso. Melhor que isso é apagar, rasgar. Há um desprendimento libertador no ato de rasgar as folhas que escrevemos, talvez porque notamos nelas a nudez obscena de um ou mais sentimentos. Existe uma soberba recatadamente hipócrita, banhada em pudores melancólicos, atrás da suspeita de que tudo aquilo que escrevemos há poucas semanas nos mostra como (insuportavelmente) somos cafonas. Pornógrafos do sentimento.
That´s it.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Amor


O amor quer a posse, mas não sabe o que é a posse. Se eu não sou meu, como serei teu, ou tu minha? Se não possuo o meu próprio ser, como possuirei um ser alheio? Se sou já diferente daquele de quem sou idêntico, como serei idêntico daquele de quem sou diferente.O amor é um misticismo que quer praticar-se, uma impossibilidade que só é sonhada como devendo ser realizada.
F. Pessoa.