quinta-feira, 24 de maio de 2007

Lírico ardente

Hoje o dia estava triste, sombrio, chuvoso, mas meu corpo ardente, coração palpitando; o pulsar de minhas veias aceleradas. Sem
saber o motivo, deitei para refletir...Até que subitamente sinto outro corpo sob o meu, aquele ar quente em minha barriga, o toque de uma mão em minhas coxas...Me veio uma sensação estranha, um prazer indescritível... Sem entender o que estava sentindo, mas querendo mais e mais. Lhe
retribuí com um sorriso malicioso e meu toque leve como uma pena...Ele me olhava com vontade, beija meus flancos. Não, não trocamos nenhuma palavra, não porque não queríamos, mas porque o
desejo era mais forte que palavras, era intenso...A liberdade era total com aquele corpo. Nem um pouco estranho e sonhador. Era real e contundente. Eu preferia não entender
aquele momento, somente aproveitá-lo e senti-lo.Então beija a minha boca vermelha e carnuda demoradamente. Morde meus lábios saciando minha língua, sem pressa de falar e
fazer nada.Abrindo minha roupa de cereja, desata o nó da faixa na nuca e expõe meu corpo nu a sua ampla visão e olha demoradamente cada
parte de minha pele branca.O desejo de ambos é latente, e eu só consigo segurar seu cabelo e fecho os olhos, jogando a cabeça para trás e sinto sua forte
respiração quente sobre partes de mim...Depois de um tempo ele sorri para mim e sabemos que há satisfação em um pouco de dor. Nossos olhares disseram... ninguém
contou.Não quis abrir os olhos, pois sabia que não se passava de um sonho e que certas coisas só com esse homem eu vou descobrir em
mim mesma.

Sempre com ele.

Um comentário:

Samyr disse...

Uia!
Foda garota tu escreve bem pakralho xD
Fodao

um tipo de leitura q quem tah lendo nao tem como nao parar e imaginar a cena xD

Bjs